terça-feira, 22 de outubro de 2013

DIÁLOGO DE FORMATURA, OU SOBRE DÚVIDAS DE UMA COLAÇÃO DE GRAU

Por Ivan Bilheiro*

Caminhando pela ágora juizforana, o campus da UFJF, deparei-me com Sócrates (!): 
IVAN: Sócrates! Devo aos deuses a sorte deste encontro. Não sabes, naturalmente, mas há tempos por aí eu o buscava.
SÓCRATES: Não estava por aqui, por isso não me encontravas. Chegaste há tempos a esta casa?
IVAN: Sim. Estudo aqui. E ainda hoje irei ao Cine-Theatro Central, para a colação de grau. Estarei entre aqueles que se formarão em Filosofia.
SÓCRATES: Uma formatura em Filosofia?
IVAN: Sim.
SÓCRATES: Tempos estranhos são esses. Haverá uma cerimônia?
IVAN: Por Zeus que sim, Sócrates. Comemoraremos com os colegas esta etapa vencida.
SÓCRATES: E o que comemorarão?
IVAN: A conclusão de nossos estudos em Filosofia.
SÓCRATES: Falas de uma conclusão. Fale-me sobre isso.
IVAN: Depois de alguns anos dedicando-nos às leituras, às discussões e seminários, teremos, por fim, o reconhecimento dos esforços com a entrega de um diploma.
SÓCRATES: Os filósofos de hoje recebem diplomas?
IVAN: Não os filósofos, ó Sócrates. Estes são reconhecidos por suas reflexões. Os estudantes de Filosofia recebem diplomas.
SÓCRATES: E o que fazem os estudantes de Filosofia?
IVAN: Justamente, dedicam-se às reflexões daqueles verdadeiramente filósofos.
SÓCRATES: E conseguem ler tudo o que estes filósofos produziram?
IVAN: Isto seria impossível, Sócrates.
SÓCRATES: Então, se não entram em contato com todas as obras, ao menos com parte delas?
IVAN: Exatamente.
SÓCRATES: Se não fazem a leitura de todas as obras da Filosofia, mas somente parte delas, então dedicam-se a alguns fragmentos da Filosofia. Concordas?
IVAN: Não poderia negá-lo.
SÓCRATES: E o que é um fragmento, se não uma parte menor de um todo?
IVAN: É o que define o fragmento.
SÓCRATES: Estudando fragmentos, estudam partes, não chegam a compreender o todo. É o que fazem estes chamados estudantes de Filosofia?
IVAN: Eu o disse anteriormente.
SÓCRATES: Assim, não chegaram a compreender toda a Filosofia, mas iniciaram sua caminhada por ela.
IVAN: De pleno acordo, Sócrates. Só alguns fragmentos deste caminho é o que conquistamos.
SÓCRATES: Mas são estudantes. E o que fazem os estudantes?
IVAN: Creio que investigam, que se debruçam sobre as leituras, que buscam o saber, que lidam com as dúvidas e as usam como motor de seu trabalho.
SÓCRATES: Buscam conhecer, porque não conhecem ainda. É isso?
IVAN: Resumiste bem, Sócrates. É isso.
SÓCRATES: E estes estudantes estarão em festa hoje, porque serão diplomados?
IVAN: Acredito que sim.
SÓCRATES: Não sou deste tempo. Busco entendê-lo. Nada sei sobre a questão, mas investigo contigo, jovem. Dizias-me que tu e teus colegas são iniciantes na Filosofia, e que tomaram contato com uns poucos fragmentos desta grande área. Não era isso?
IVAN: Parece-me que sim.
SÓCRATES: Ainda afirmavas, há pouco, que os estudantes são aqueles que buscam conhecer, pois não conhecem. Na verdade, reconhecem sua ignorância, mas se dedicam no esforço de conhecer.
IVAN: Isto sim, Sócrates!
SÓCRATES: E os estudantes de Filosofia, enfim, que são eles? Seriam eles iniciantes de um caminho de dúvidas, já que começaram a trilhar uma área que pouco conhecem?
IVAN: Não compreendo bem o que dizes.
SÓCRATES: Pelas definições até então dadas, estes jovens com quem estarás hoje serão reconhecidos por seus esforços de dedicação à Filosofia.
IVAN: Serão sim.
SÓCRATES: E os esforços foram de estudo, o que é o buscar conhecer, ainda sem conhecer.
IVAN: É isso.
SÓCRATES: Estudaram o que pouco conhecem, porque reconhecestes que a Filosofia só foi fragmentariamente abordada por eles, certo?
IVAN: Não posso negá-lo.
SÓCRATES: Se estudam porque não conhecem, e ligam-se a uma área que pouco oferece de certezas, então angariaram mais coisas a investigar que conhecimentos.
IVAN: É este o cenário.
SÓCRATES: E a essa conquistas darão um certificado?
IVAN: É o que farão.
SÓCRATES: Serão diplomados por enveredarem por dúvidas?
IVAN: Parece que sim.
SÓCRATES: E o que comemorarão, então?
IVAN: Por Zeus, Sócrates! Já não sei mais o que comemoraremos!

* Ivan Bilheiro é licenciado em História pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF), bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), instituição na qual cursa a licenciatura na área. Especialista em Filosofia pela Universidade Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Ciência da Religião pela UFJF.
 

HOMENAGEM PÓSTUMA AO PROF. MÁRIO JOSÉ DOS SANTOS

     Por Ana Idalina Carvalho Nunes                                        Foto  de 2010, no ICH antigo da Universidade Federal de ...