Postagens

Mostrando postagens de 2011

A FILOSOFIA PARA CRIANÇAS COMO ALTERNATIVA PARA O ENSINO DA FILOSOFIA

Imagem
Juarez Gomes Sofiste (Chefe do departamento de Filosofia da UFJF)

Resumo: O presente comunicação faz algumas considerações sobre o ensino da filosofia e apresenta o Programa de Filosofia para Crianças do professor Matthew Lipman como alternativa para o ensino da filosofia no primeiro e segundo graus.
Palavras-chave: filosofia, ensino,educação, pensar.

Abstract : This paper discusses the study of philosophy in the primary school and presentes the Matthew Lipman’s Program of Philosophy for Children as a satisfactory alternative to achieve the educational purposes of the discipline called philosophy.
Key-words: philosophy, education, teaching, thinking.


Um dos primeiros problemas que se vê obrigado a abordar o estudioso do ensino da filosofia é, diferentemente de qualquer outra matéria, o problema de sua necessidade ou não, quer dizer: justifica-se o ensino da filosofia? Ora se a filosofia fosse um bem de primeira necessidade ou se houvesse consenso em torno da sua importância, tal questio…
Imagem
O QUE FAZ UM PROFESSOR DE FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO?
Paulo Ghiraldelli Jr


Está arraigada na mentalidade dos professores a tese de que “na prática a teoria é outra”. Muitas vezes dizemos para os professores que eles estão errados ao pensarem isso. Mas, se refletirmos melhor, talvez seja certo concordar com eles, ao menos em parte.

O que está errado é dizer “na prática a teoria não funciona”. Mas, ao dizer “na prática a teoria é outra”, podemos sim estar dizendo alguma verdade. Ou seja, na prática há uma teoria, ainda que não seja, rigorosamente, a teoria proclamada. Marx dizia que o pior arquiteto ainda é melhor que a mais habilidosa aranha. Melhor e pior, para ele, era em função da teoria presente na consciência. Para ele, a aranha não tinha nenhuma teoria, não podendo variar sua teia a partir de um projeto mentalmente predeterminado, enquanto que um arquiteto, ainda que completamente inapto, mesmo assim faria suas construções a partir de um projeto adrede preparado mentalmente. A existência…

COMO SE ESCREVE UM ENSAIO DE FILOSOFIA

Imagem
James Pryor
Universidade de Princeton

Escrever, em filosofia, é diferente do que se pede ao estudante para redigir noutros cursos. A maior parte das estratégias descritas abaixo será útil também quando o estudante precisar de escrever ensaios noutras disciplinas, mas não se deve presumir automaticamente que o seja, nem que as orientações dadas por outros professores serão necessariamente úteis quando se escreve um ensaio de filosofia; algumas dessas orientações são rotineiramente desconsideradas na boa prosa filosófica (por exemplo, veja-se as regras de gramática, abaixo).

O QUE SE FAZ NUM ENSAIO DE FILOSOFIA?

1. Um ensaio de filosofia consiste numa defesa argumentada de uma afirmação.
Os ensaios dos estudantes devem oferecer um argumento. Não podem consistir na mera exposição das suas opiniões, nem na mera apresentação das opiniões dos filósofos discutidos. É preciso que o estudante defenda as afirmações que faz e que ofereça razões para se pensar que são verdadeiras.
Assim, o estudante nã…

OS CAMINHOS DA FENOMENOLOGIA

Imagem
Newton Aquiles von Zuben (*)



A obra da Prof. Elcie Masini, "0 Perceber e o relacionar-se do carente Visual' - em sua parte metodológica inspirada na Fenomenologia, traz à discussão mais uma vez a questão dos caminhos do movimento fenomenológico.

Reconhecida como uma das mais notáveis manifestações filosóficas deste século, a Fenomenologia inaugurada por Edmund Husserl, desperta ainda grande interesse não só por parte dos filósofos, mas também por parte de cientistas sociais e educadores.

A história é feita de pensamento em ato, e pensar esses pensamentos é filosofar.

Em seu início, o projeto husserliano despertou ceticismo. As suas "Investigações lógicas" publicadas em 1900-1901 provocaram, no pensamento filosófico, uma revolução decisiva porém lenta. Seu caráter eminentemente abstrato e especulativo dificultou a leitura e compreensão. Com esta obra encaminhou Husserl, em 1905, sua candidatura ao cargo de Professor Ordinário (titular) na Universidade de Gõttingen. Foi r…